O que é o Japamala & como usar


Este artigo foi escrito por mim, Safih Quelbèrt - ©2017 BEADS 4 MEDITATION, e parte desta loja. Cópia de trexos ou reprodução total, só serão permitidos se citadas CLARAMENTE ambas referencias beads4meditation.com.br e minha autoria .Em caso de omissao, estarão sujeitos a justo reparo indenizatório,dada a previsão da Lei 9.610/98. 

Obrigada! 


Tendo em vista meu respeito profundo para com este instrumento, cuja prática mudara totalmente minha vida há 12 nos atrás, nos mais diversos e benéficos sentidos, e em consideração à VOCÊ, cliente, que busca um equilíbrio seja no aspecto físico ou mesmo espiritual, decidi compôr este texto bem longo, produndo e com muito embasamento como verá a seguir, para que possa desmistificar e compreender tudo o que realmente necessita, seja que materiais são permitidos, por quê, qual o motivo das 108 contas, o que devemos recitar, que lingua sao escritos os mantras pra seu uso...E assim, sabendo escolher com muito critério o seu japamala, possa com seu uso, obter totalmente os resultados desta tradição que perdura e se conserva há milênios intacta.

***Ambos videos de utilização constam ao final deste artigo! ***

Japamala é um instrumento utilizado há milênios, pelos budistas e hindus, para a prática da meditação, composto na forma de colar com 108 contas, ou número que multiplicado dê 108 (54, 27 ou 18 contas), unidos pela conta maior que representa a divindade.

Através dele, se repete, conta a conta, o mantra escolhido (ou indicado pelo guru), contribuindo assim para a elevação espiritual, sendo esta, uma das praticas, dentre outras atividades, utilizadas por ambas filosofias, destinada à iluminação ou nirvana.

Embora sejam confeccionados em diversos materiais, dada a criatividade dos artesãos brasileiros, para que se possa alcançar totalmente os benefícios, convém adquirir seu japamala com os seguintes materiais citados abaixo, e praticar por pelo menos 40 dias para que ele se torne energizado e protetivo.


De que material pode ser feito meu Japamla?


Dentre os materiais confeccionados permitidos, os japamalas podem ser feitos em pedras, madeiras (incluindo sândalo e rosewood) ou sementes de bodhi rudraksha . Ossos também são utilizados, porém, por mexerem com energias sutis distintas, é aconselhável que um guru qualificado recomende.

Materiais como murano, vidro, plástico, resina, podem baratear o custo do seu japamala, porém não são indicados por não serem substancialmente aderentes à energia vibracional, se tornando apenas adereços artesanais, sem propriedades protetivas.

A explicação física para determinar quais materiais podem ser utilizados na confecção do japamala se dá por serem materiais porosos (contendo cavidades, canais ou interstícios de modo que as ondas sonoras são capazes de entrar através deles [1], e assim o som – vibração física advinda da entonação de quem utiliza o japamala, somado à  vibração energética do utente, calor, umidade,  se aderem às contas do colar nestas composições, e desta forma então, este instrumento, se utilizado dia a dia, com tal impregnação energética, ira se tornar também um amuleto sagrado.

Podemos dizer que então, com o passar do tempo, o japamala feito com estes materiais  cria uma “aura” em torno dele, dadas propriedades moleculares, e assim serem capazes de armazenar sua energia ao longo do uso.

Isso pode ser descrito pela explicação “kirian”. [2][3]

Sementes de Rudraksha:

As sementes de rudraksha (em sanscrito rudra (रुद्रः) = deus dos trovões + *āk**ṣ**a* = *olho* - nome dado tanto a esta árvore como também a seus pequenos frutos e sementes), símbolo da espiritualidade, do destemor e uma fonte de poder, saúde, paz e prosperidade, são consideradas como verdadeiras joias nos Vedas, Puranas e nos Upanishads, [4] há muito vem sendo associada à figura mitológica do Senhor Shiva (Conta-se que Shiva ficou em meditação por 1000 anos com os olhos semi serrados ate que seus olhos finalmente cederam e a primeira lagrima que caiu de seus olhos no terreno tornou-se uma Rudraksha [5] .

Cada Rudraksha age como um gerador de bioenergia, cobrando o campo energético do portador, chakras, energia kundalini e os 108 centros nervosos sensíveis no cérebro humano.[6]

Por muito tempo tem sido observado e relatado que as pessoas que sofrem de hipertensão, diabetes, problemas cardíacos, problemas de estômago, estresse, artrite e fobias obtêm resultados benéficos vestindo Rudraksha de forma consistente. Provou-se que o uso de Rudraksha tem efeitos positivos em pessoas com pressão alta e controle do estresse, ansiedade, depressão e palpitações. Mentalmente, ela fornece uma tremenda quantidade de tranquilidade, poder de concentração e ajuda a atingir serenidade da mente com facilidade.[7][8]

Medicinalmente elas são conhecidas por curar muitas das doenças da mente e do corpo, ser resfriamento quando usado contra a pele, reduzir a doença cardíaca e baixar a pressão arterial, aumentar a clareza mental, memória e consciência geral, acalmar o sistema nervoso central, Livre de pensamentos negativos, aumentar a imunidade, energia e resistência, e rejuvenescer toda a mente e corpo. [6]

Pesquisas científicas extensas foram conduzidas ao longo dos anos por cientistas principais em universidades em Índia, e também no oeste, onde suas descobertas provaram que as contas de Rudraksha têm certas propriedades elétricas e magnéticas, e quando usadas contra a pele, e especialmente sobre o coração, agem em nossa rede neural humana de várias maneiras benéficas. Ela pode equilibrar o campo magnético do coração, controlar a taxa de pulso, melhorar a circulação sanguínea e purificar o sangue. Quando usamos Rudrakshas estamos literalmente carregando oxigênio, carbono e hidrogênio contra nossos corpos enquanto absorvemos a vibração desses organismos vivos puros. [6]

As Rudrakshas aumentam os níveis de íons negativos e agem diretamente em nosso sistema nervoso central, liberando certos produtos químicos em nossos corpos que são responsáveis por emoções positivas e uma mente calma.

Muitos relatos pessoais observaram  encontrar no seu uso liberdade de estresse, depressão e menos letargia ao usar Rudrakshas. Elas são ditas absorver e armazenar energia solar, e assim liberar e distribuir esta energia solar em todas as partes do corpo. [6]

A maioria dos japamalas de rudraksha usam a semente de 5-faces ou 5 grânulos Mukhi Rudraksha, que representam Shiva ou o Absoluto e são consideradas benéficas para curar o fígado, rins, pulmões, coração, seios, transtornos sexuais, memória, osso, artrite, orelhas, coxas e regular a pressão arterial, diabetes, gordura e purifica o sangue. É também dito promover a fama, paz e prosperidade, e dissolve karma e medo, bem como para a evolução espiritual. [6]

Usar Rudrakshas resulta na destruição do karma negativo de nascimentos anteriores que causam dificuldades na vida presente. [6]

Experimentos comprovando eficácia de suas propriedades podem ser consultados vide links ano final deste artigo,em referencias.[9]

Sementes de Bodhi:

A árvore que desempenha o papel mais importante na vida cultural e espiritual dos budistas do Sri Lanka é a árvore Bodhi. Cada templo budista na ilha, nutre uma árvore bodhi como um dos três objetos sagrados ao qual todo templo se orgulha. Assim, toda árvore bodhi na ilha é considerada um parente próximo ou distante da árvore bodhi em Anuradhapura, plantada lá no terceiro século antes de Cristo.

Integrante do ritual budista por causa de sua associação com a vida do Buda e, portanto, de sua magia, os budistas acreditam que esta árvore possui poderes mágicos que nenhuma outra árvore no mundo possui. Seu termo bodhi é usado pelos budistas para denotar dois significados distintos: em um sentido estreito, denota a árvore ficus religiosa sob a qual o último dos Budas, Siddhartha Gautama atingiu o Iluminismo; Em um sentido amplo, denota qualquer árvore sob a qual um Buda alcançou o Iluminismo.

Como uma semente "iluminada", muitos praticantes usam essas malas para sua essência e ensinamentos inerentes dentro de cada semente.

OBS. Estes grânulos normalmente se tornarão escurecidos ao longo do tempo, isso é o normal de uso e pratica,dado que os óleos de sua pele permeiam a semente, e por consequência a tornarão mais escurecidas.

Recitando Mantras com o uso do japamala


Mantra, do sânscrito Man (mente) e Tra (alavanca) é uma sílaba ou poema religioso normalmente recitado ou entoado em sânscrito e a palavra sânscrito (samskrta) significa refinado. É formada pela raiz verbal kr que significa "fazer" mais o prefixo sam - "junto, perfeito".

A utilização dos mantras ou cantos devocionais originou-se do hinduísmo, onde a evolução da música começa com os Vedas, absorvendo influências do Mundo Islâmico, primariamente da grande Pérsia, porém eles são utilizados também no budismo e jainismo. [10]

Originado na Índia cerca de 500 aC, o budismo atingiu a China no primeiro século dC, a Coréia sobre o início do século IV, o Japão no sexto e o Tibete no oitavo. Como o budismo se tornou a religião estabelecida nesses países, foi influenciado pelas diversas culturas com as quais entrou em contato, e desta forma, o budismo adotou, dentre outros, os rosários dos hindus. [11]

Há muito tempo, na mais absoluta imobilidade das grutas do Himalaia cobertas de neve, os Rishis, antigos sábios em profunda meditação, retiravam suas mentes do ruído externo e focavam nos sons interiores. Por séculos de prática assídua, gerações de Mestres foram capazes de detectar as freqüências específicas emanando de cada um dos subcentros do organismo (denominados Chakras), e o tornaram verbalizáveis, criando portanto uma linguagem que é a ressonância nivel mais profundo da vida: o Sânscrito. [10]

Estes 49 sons – cadências vibracionais do núcleo do nosso Ser, tornaram-se então  49 letras do alfabeto Sânscrito, uma língua vibratória mais antiga da família Indo-Européia, cuja posição nas culturas do sul e sudeste asiático é comparável ao latim e o grego na Europa, sendo uma proto-língua, pois influenciou diversas outras línguas modernas, como o Latim. [10]

Está ligado a origem das línguas da Europa, com a exceção do finlandês, estoniano, húngaro, turco e basco. Esse relacionamento pode ser visto com semelhanças óbvias como: pitr – pater (latim) "pai" ; matr – mater (lat) "mãe" ; bhratr – brother (ing) "irmão" ; grdha – greed (ing) "cobiça" . [10]

Considerado  uma maneira particularmente refinada ou aperfeiçoada de se falar, quem tinha conhecimento em sânscrito era uma classe privilegiada, linguagem ensinada principalmente para membros de castas mais altas, através de análise profunda dos termos gramáticos. Pela sua sintaxe, o sânscrito é considerado uma língua ideal para programação informática, sendo a sua estrutura regular e matemática considerada uma característica assaz valiosa para esse efeito. . [10]

Sua perfeição linguística explica por que subsiste por mais de cinco milênios, pois, tem o poder de tocar o coração, oferecendo à todos, o acesso direto a um plano superior, onde tanto a matemática como a música, o cérebro como o coração, a razão como a intuição, a ciência e a religião – tornam-se unos, gerando clareza e inspiração. Falar de Sânscrito, portanto, é falar da Geometria da Divindade, dada sua perfeição nos termos ressonantes mais profundos, língua responsável diretamente pela iluminação da expressão criativa de uma forma jamais vista no mundo.  [10]

A pratica do uso do japamala através da entonação dos mantras, tem o poder de remover os condicionamentos da mente, por estarem em sintonia sutil e direta com a harmonia invisível e arquetipica da criação, propiciando mudanças em todos os níveis dimensionais do ser. . [10]

Por quê 108 contas?

Ao fazer uma prática de contar o número de repetições do mala, 100 contas dele, são estipuladas como quantidade necessária para pratica. O restante é dito para cobrir erros, omissões, ou servirem como uma oferta a Deus e Guru.

Há inúmeras explicações por que há 108 contas, com o número 108 que tem significado religioso especial em várias tradições hindus e budistas. 

O número também é atribuído ao Mokugenji Sutra, onde o Buda Shakyamuni instruiu o Rei Virudhaka a fazer tais contas e a recitar as Três Jóias do Budismo. [12]

No chakra do coração (diz-se que são um total de 108 linhas de energia que convergem para formar o chakra do coração), um deles, sushumna leva ao chakra da coroa, e é dito ser o caminho para a auto-realização. [12]

No alfabeto sânscrito : Existem 54 letras no alfabeto sânscrito. Cada um tem masculino e feminino, shiva e shakti. 54 vezes 2 é 108. [12]

Alguns dizem que existem 108 Upanishads, textos da sabedoria dos antigos sábios. [12]

No Sri Yantra existem marmas onde três linhas se cruzam, e existem 54 tais cruzamentos. Cada intersecção tem qualidades masculinas e femininas, shiva e shakti. 54 vezes 2 é igual a 108. Assim, há 108 pontos que definem o Sri Yantra, bem como o corpo humano. [12]

O rio sagrado Ganga mede uma longitude de 12 graus (79 a 91), e uma latitude de 9 graus (22 a 31). 12 vezes 9 é igual a 108. [12]

Em astrologia, há 12 casas e 9 planetas. 12 vezes 9 é igual a 108. [12]

Dizem-se 108 nomes indianos de deusa. [12]

Na tradição de Krishna, diziam-se 108 gopis ou servas de Krishna. [12]

1, 0 e 8 : Alguns dizem que 1 significa Deus ou Verdade superior, 0 significa vazio ou completude na prática espiritual, e 8 significa infinidade ou eternidade. [12]

O diâmetro do Sol é 108 vezes o diâmetro da Terra. A distância do Sol à Terra é 108 vezes o diâmetro do Sol. [12]

A distância média da Lua da Terra é 108 vezes o diâmetro da Lua. [12]

Na astrologia, o metal prata é dito representar a lua. O peso atômico da prata é 108. [12]

Escala numérica : O 1 de 108, e o 8 de 108, quando somado é igual a 9, que é o número da escala numérica, isto é 1, 2, 3 ... 10, etc., onde 0 não é um número. [12]

O número 108 é dividido, como na metade, terceiro, quarto ou duodécimo, de modo que algumas malas têm 54, 36, 27 ou 9 contas. [12]

O número 108 é usado no Islam para se referir a Deus. [12]

Na religião Jain, 108 são as virtudes combinadas de cinco categorias de santos, incluindo 12, 8, 36, 25 e 27 virtudes, respectivamente. [12]

A tradição Sikh tem um mala de 108 nós amarrados em uma corda de lã, ao invés de contas. [12]

No budismo , de acordo com Bhante Gunaratana, esse número é alcançado multiplicando os sentidos cheiro, toque, paladar, audição, visão e consciência por serem dolorosos, agradáveis ou neutros e, novamente, se estes são gerados internamente ou Externamente, e mais uma vez pelo passado, presente e futuro, finalmente temos 108 sentimentos.  6 × 3 × 2 × 3 = 108. [12]

 No Japão , no final do ano, um sino é tocado 108 vezes em templos budistas para terminar o ano velho e saudar o ano novo.  Cada anel representa uma das 108 tentações terrenas ( Bonno) que uma pessoa deve superar para alcançar o nirvana . [12]

 Na cultura judaica e na numerologia, os judeus freqüentemente dão presentes e doações de caridade em múltiplos do número 18, associados à palavra hebraica 'chai (??)', que significa 'vivo', 'vivo' ou 'vida'.  Veja Chai (símbolo) .  O número 108 é um múltiplo de 18 (6 vezes 18) e contém os números 1 e 8 que compõem o número 18. [12]

Assim inúmeras são as explicações para o quesito 108 contas utilizado no japamala.


Devo pronunciar o mantra ou só mentalizá-lo?


O som é a matéria prima do Universo. Há som na natureza, na nossa comunicação, ou seja, nosso universo é feito de som, e ele é um veículo dentro desta inter-relação, como forma de expressão, conhecimento e manifestação dos mais diversos sentidos[10].

Os sons atravessam o corpo, penetram nos órgãos e fazem ressoar tudo quando nele existe. Uma vibração é suscetível de originar uma outra vibração em diferentes elementos. Quando uma nota musical é tocada num piano, mesmo que só uma corda seja golpeada, ainda assim outras cordas vibram também. Ampliando um pouco mais, a Vida é permeada destas vibrações. Isto é o que se chama ressonância, compreendida pelas leis físicas, que rege essa manifestação, sobre a qual há suficientes estudos efetuados pela ciência. [10].

Rotineiramente e embora possamos não nos dar conta a reflexão, nossas  palavras proferidas no dia a dia, seja para qualificar nossos sentimentos, como amor, paz, felicidade, ou nos comunicar de modo geral,  todas estas palavras são sons, vibrações, que junto com nossa força da mente reforça, atrai, fortalece ou repele emoções sintonicas.

Assim, os estímulos sonoros, segundo sua qualidade, podem produzir efeitos positivos ou negativos. As ondas sonoras são captadas pelo pavilhão auricular e chegam ao conduto auditivo e ao tímpano, cujas vibrações atingem o ouvido médio, onde são convertidas em impulsos nervosos. Esses impulsos chegam ao cérebro através do nervo óptico e ali são interpretados. Segundo a qualidade harmônica do som, são produzidos efeitos positivos ou negativos, benéficos ou não ao sistema psicobioenergético [3].

As fibras nervosas convertem o som captado em estímulo nervoso. O encadeamento de estímulos produz efeitos no organismo de humanos, animais e plantas. A música calma, harmônica, determina um efeito analgésico ou anestésico. O efeito oposto ocorre com sons estridentes, muito fortes, desarmônicos, que criam hiperestimulação das células nervosas e estresse nos neurônios[13]..

Portanto o som tem a habilidade de rearranjar a estrutura molecular. Este é um fato científico [10].

Por meio da ressonância dos mantras, pode-se contribuir para o restabelecimento das freqüências vibratórias harmônicas do corpo, (as ondas de som comunicam as suas energias às regiões internas do corpo e se estas tiverem a mesma freqüência inerente à da vibração, também iniciarão um movimento vibratório), além de ter a capacidade de ampliar a consciência a um nível sutil de vibração, modificando os ritmos das ondas cerebrais, cujas irradiações sonoras penetram em pulsações elétricas dos corpos físico, mental, emocional e espiritual, modificando seus padrões vibratórios e conseqüentemente revigorando através dos sons o fluxo energético do corpo, já que os princípios fisiológicos do corpo estão interligados à dimensão energética que vibra por entre as musculaturas, respiração, coração, que estão interligadas ao fluxo energético da corrente vital. [15]

Respondendo então esta dúvida, melhor seria você verbalizar o mantra no ato da meditação, pois como percebe, o som vocal também potencializa o efeito, faz vibrar seu organismo, reverbera no ambiente alterando-o também com boas energias. Porém, você pode mentalizar o mantra, e por exemplo, ouvir o mesmo por sua cantora ou cantor preferido, no decorrer do dia.Temos diversos! Isso o ajudará inclusive a pronunciar corretamente.


Quanto mais prática, mais resultados!


Em consonância como isso, somando as propriedades das palavras mântricas em sânscrito, os efeitos do som, aliados a uma prática compassada (pela repetição em fluxo contínuo  por um certo tempo tomado ao recitar as 108 x o mesmo mantra diariamente),neste processo da repetição e utilização, você começará fisicamente a notar melhoras em sua concentração, memória e raciocínio lógico, e, pouco a pouco permitir sua mente entrar em “alfa”, o cérebro pode passar a vibrar numa freqüência adequada para que ocorra uma precisa expansão da consciência, do quem Sou, o acesso à nossa psiquê, nossa alma, por assim dizer, e com isso, não só contribuir para a harmonia de si, como expandindo aos que convive[10].

Tomando como trecho as palavras deKrishna Das, (cantor de mantras conhecido internacionalmente cuja história é bem interessante vide livro - Cantar para viver):

"Quando nos voltamos para dentro, para o lugar mais profundo dentro de nós mesmos, tudo o que queremos na vida - nossos desejos benéficos, ou as coisas que nos ajudam na vida, acabam chegando até nós. Por meio da repetição do Nome, todos os desejos que nos são úteis no caminho serão realizados, e as coisas que nos magoam serão removidas".

Práticas espirituais são capazes de desacelerar o filme de Mim Mesmo que cada um dirige todo dia incansavelmente....

Gradualmente com esta pratica, vamos negociando uma régua com aquilo que percebemos como um mundo externo a nós: o imediatismo das reações por impulso diminui e nós temos a chance de não reagir com tanta rapidez. Nós fazemos um acordo com nós mesmos para não acreditar em tudo que pensamos, para permitir que se passe algum tempo até que possamos ver se as reações tem base no que realmente está acontecendo ou estão apoiadas no que pensamos estar acontecendo. (e isso claro, com o auxilio da ressonancia fisica do som nos órgaos.

Ao praticar os mantras e sua musicalidade, nós nos movemos na direção do lugar dentro de nós que não é tão impulsivo, em que nos sentimos melhor a respeito de nós mesmos porque há mais paz. É lá que o amor se esconde. Esta trégua experimental é igual a uma preliminar. Nós nos aproximamos do Bem Amado que vive dentro de nós e em todos os seres - e começamos a experimentar o que realmente significa amor.

Com o tempo, vamos criando dentro do cérebro e de nosso inconsciente um espaço vazio de paz, de serenidade onde quanto experimentarmos uma vivencia turbulenta por exemplo, imediatamente "puxamos" e nos conectamos com este lado e teremos mais sabedoria e serenidade para lidarmos.

Quando damos inicio a uma pratica como cantar mantras, não achamos que possa realmente funcionar. Nós meio que temos a esperança de que possa ser bom pra nós mas não podemos imaginar qual vai ser o resultado de uma pratica e esse é o objetivo. Se nós fôssemos capazes de imaginar, seria apenas uma projeção da mente e não algo que surge do fundo e nós.

Está tudo aqui dentro e não lá fora. Mas nós fomos programados a não confiar, a não ter consciência de nossos sentimentos e intuição a respeito das coisas.

Está tudo aqui esperando por nós, lá dentro, mas estamos com o numero de telefone errado. Então discamos todas as combinações daquele numero tentando acertar. Um dia vamos entoar o Nome do jeito certo uma vez, de coração e a conexão vai se completar.

Entoar o nome leva embora aqueles pensamentos que nos dizem: Ah, nunca vai acontecer; Eu não vou conseguir. Eu não sou suficiente, seja lá o que for. Todas estas histórias que contamos a nós mesmos e que nos desligam - e é isso que conseguimos largar com o meio da pratica. O que sobra é o que sempre esteve lá.

Nas palavras de Anandamayi Ma:

Se você ficar esfregando uma tigela suja, sua própria swarup (forma verdadeira) vai se revelando gradualmente, e então você descobre se é de cobre, latão, prata, etc.

Assim, com a repetição do Nome de Deus, sua própria swarupa se revela.

Portanto, faça isso o tempo todo, independente de estar disposto ou não.

A maneira como nos sentimos acerca de nós mesmos é o que governa a nossa qualidade de vida.

Com a pratica nós começamos a relaxar de verdade em relação a nós mesmos e nos sentir bem. A negatividade do outro se dissolve quando vem na nossa direção. Ao não reagir e não expulsar a pessoa, ajudamos naturalmente que ela se desfaça de suas questões também. " Krishna Das-Cantar para Viver.

Uma vez alguem perguntou a Maharaj-Ji:

-Eu devo repetir o nome de Deus mesmo sem ter fé nems entimentos de devoção?

E ele respondeu:

-Bom, alguma coisa é melhor do que nada. No começo, pode ser que a pessoa não seja inteiramente sincera, mas com o tempo, o coração se abre e um anseio puro vem a tona.[..]O simples ato de fazer é uma devoção. Com a repetição constante destes Nomes, a presença que se esconde em nós é revelada. A pedra preciosa já está lá, mas simplesmente está encoberta por nossas questões". Krishna Das - livro Cantar para Viver.


Meu Japamala - Meu amuleto


Para que seu Japamala possa também se tornar um instrumento protetivo, ele necessita, além de ser confeccionado com os materiais que já mencionei acima, ser imantado com o poder do mantra escolhido por pelo menos 40 dias seguidos, sendo que após 108 dias o mala ficará carregado desta energia e você poderá colocá-lo ligeiramente sobre si ou em outros, para transmitir a energia do mantra.

Quando não estiver utilizando seu mala, guarde-o em um lugar limpo e sagrado. O melhor lugar para guarda-lo é sobre um altar pessoal ou sobre uma estatueta sagrada de uma divindade.


Como eu começo? Como seguro o japamala?


Segure o Japamala com uma das mãos e com o dedo polegar e o dedo médio segure a primeira conta após o meru, conta que une os 2 lados do japamala. O polegar representa seu chakra da garganta e o dedo do meio representa o éter divino no chakra do coração.

Vá puxando suavemente as contas sequentes até chegar na ultima conta em oposição à que você iniciou, próxima ao meru – guru - ou conta maior que representa a Divindade.

OBS. Ao terminar o seu mala (repetindo 108x) é importante não passar por cima da conta principal, que representa a Divindade, como explicdo acima.

No caso de malas que multiplicadas vezes dê 108, como pulseiras de 54, 27 ou 18 contas, deve-se então, ao chegar no meru, virar o Japamala e continuar as repetições ao contrário, recomeçando, e assim por diante até que multiplicadas as vezes dê o numero 108. (para pulseiras de 27 contas, são necessárias 4 idas e voltas – 18 contas, 6 idas e voltas e 54 contas, 1 ida e volta)


Videos para ilustrar sua utilização

Como usar sua Pulseira JAPAMALA       Como usar seu colar JAPAMALA

 


Sugestão de Mantras

Clique aqui para ler mais algumas sugestões de mantras

Mantra da Tara Verde : Proteção, beneces, etc. : “Om tare tuttare ture swaha” (se diz w com v<)

Outro para paciencia, é o de Hannuman - que tem os 40 versos em sanscrito...o efeito realmente acalma e promove muita serenidade. (Bernie´s Chalisa – Krishna Das

Conta a lenda que ele, o Deus Macaco, foi com muita tranquilidade vencer o oponente, que era uma serpente que havia raptado Sita (futura esposa) de Rama para que ele nao se casasse. Com sabedoria e nada de agressividade, ele convencera a serpente (talvez uma analogia a adao e eva...)

Com o mesmo cantor , tem outra bem bacana, tipo pra pedir bençaos: Baba Hanuman.

E pra aquelas horas que estamos precisando de energia extra, justiça: Om Namah Shivaya

Tem artigos que falam muito da força deste mantra, inclusive que este cantor foi o que melhor interpretou...

Deva Premal, interpreta muito comoventemente o Moola Mantra, sao 3 partes, mas mesmo mantra - Moola Mantra.

Satkirin Kaur Kalsa é uma guru bem conhecida, e musicista, tem umas musicas bacanas, dentre elas, destaco 2:

Os varios nomes do Criador (nomes na musica cantados: Gobinday, Mukanday, Udaaray, Apaaray, Hariang, Kariang, Nirnaamay, Akaamay) - com a voz de parceria de Yogi Bahan

E uma em homenagem a mulher-mae:Bhand Ja

Há outros mantras para baixar em meu site . Quem precisar da letra e nao encontrar, por gentileza, é só pedir.

Namastê,

Boa prática!

beads4meditation.com.br

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Fotografia Kirlian ou Bioeletrografia/

Desvendando os Segredos pela Foto Kirlian - Nelson Donisete

Rudrakshas

Propriedades fisico químicas da semente de rudraksha

O Poder dos japamalas de Rudraksha

Rudraksha - A semente da Energia

8  O Poder das Contas de Rudraksha

Experimental Evaluation of the effect of Rudrakshas

 E Tempo de duração do efeito das Rudrakshas

10 Inteligência e Emoções - Musicoterapia - por Safih Quelbèrt

11 Terço budista e contas budistas

12 Meaning of 108 beads

13 Wikipedia - sobre o numero 108

14 GOLDMAN, Jonathan - do livro "Os sons que curam". Tradução de Marcello Borges. São Paulo: Siciliano, 1994

15 Musicoterpia e animais - ANDA

16 Pesquisa sobre Materiais porosos e absorventes

17 Fatos religiosos sobre rosários

18 Buddha Dharma Education Association 

19 Estudos Budistas: Malas (beads)

20About Prayer Beads

Mantra, Som Divino - Amma Brasil

Entrevista com a cantora zen Meeta Ravindra

Pitagoras e o raga indiano

Energias na medicina chinesa

Sons que curam Mitchell L. Gaynor – Ed. Cultrix

Sanscrito, a linguagem dos Deuses – Pedro Denis

Os mantras - Valter Rosa Borges

Princípios da Ressonância Vocal na ludicidade dos jogos de corpo e voz para a formação do ator

Musicoterapia Clinica - David M.A. Maldonado

Maestro Emanuel Martinez

Este artigo foi escrito por Safih Quelbèrt - © 2017 Beads 4 Meditation e faz parte desta loja 
A reprodução só será permitida se citadas ambas referencias beads4meditation.com.br e minha autoria 
Em caso de omissao, estarão sujeitos a justo reparo indenizatório, dada a previsão da Lei 9.610/98.

<